Arquivo da categoria: Arquivo Morto

Arquivo do TJMG

Já falei aqui no blog sobre os Arquivos Judiciais do TJDFT e da minha visita ao Arquivo do TJRJ. Seguindo esse panorama sobre os Arquivos do Poder Judiciário brasileiro, disponibilizo uma reportagem sobre o Arquivo Judicial do TJMG. Reparem que os processos são guardados em maços amarrados, fora das caixas. Mais de 10 milhões de processos sem caixas devem ser muito dificil de controlar. O que vocês acham disso??? Comentem!!!

Anúncios

Os ASPONES

Como profissionais da área, todos sabemos a importância da Arquivologia para as instituições, principalmente na área pública. Mas quando chegamos para trabalhar nos arquivos encontramos uma situação desanimadora. A maioria das instituições não vêem os arquivos como área estratégica da instituição, ou melhor, arquivo é sinônimo de velharia, papel velho. Cansamos de ouvir o detestável termo ‘ARQUIVO MORTO’. O arquivo só é lembrado, quando algum documento “super importante” desaparece na massa documental acumula.

Somos obrigados ainda a conviver com dois tipos de “profissionais” que tornam a vida do arquivista um inferno. O primeiro é o “administrador”, que acredita que o Arquivista está lá somente para carregar caixa, menosprezando seu conhecimento, e alegando que a função de planejar pertence a ele.

O outro é aquele servidor antigo, que já passou por todos os setores do órgão, e como não conseguia parar em nenhum lugar, acaba sendo mandado para o arquivo. Chegando lá, esse tipo se apodera do acervo e acha que tudo pertence a ele. A frase clássica dessa pessoa é “eu trabalho aqui desde 1900 e a organização do arquivo sempre foi assim, quem você que é para querer mudar tudo”.

Vocês conhecem outros tipos pitorescos nos arquivos?

Vamos iniciar um debate sobre essa questão, deixem os seus comentários!!!