Arquivo da categoria: Tribunal

Judiciário do Rio Grande do Norte inaugura prédio do Memorial

O Memorial do Judiciário Potiguar será inaugurado nessa quarta-feira (07/01), às 16h. O espaço vai conter os principais documentos e fotografias históricas do Poder Judiciário do RN, foi construído com arquitetura em arte nouveau, sendo reformado na antiga residência da rua Padre João Manoel, no Centro da cidade, atrás do Tribunal de Justiça. A residência foi construída em 1911 e a reforma preservou a antiga arquitetura. Além de manter toda a arquitetura original do prédio, a estrtutura foi adaptada às normas técnicas de acessibilidade.

O memorial passa a contar, no piso térreo, com três salas para exposições do material histórico do Judiciário Potiguar e duas salas administrativas. No piso superior são oito salas e uma galeria dos Presidentes, com suas respectivas biografias.

Todo o acervo histórico de fotos, documentos, bibliografias, utensílios e indumentarias estão sendo catalogados. Uma das peças raras é a toga da desembargadora Eliane Amorim, primeira mulher a fazer parte da mais alta corte de Justiça do Estado. O memorial vai expor também a ata da eleição do desembargador Ferreira Chaves, primeiro governador do Rio Grande do Norte que chegou ao poder pelo voto popular, entre outros documentos históricos, a exemplo, do processo contra Lampião e seu bando que foi aberto na cidade de Pau dos Ferros, no início do século XX.

As obras de reforma do Memorial iniciou no dia 18 de agosto de 2008. “Agora estamos de fato vivenciando a construção de um antigo sonho. Graças ao trabalho e a sensibilidade da atual gestão estamos conseguindo pôr em prática o projeto de memória do Judiciário Potiguar. Essa atitude beneficia todos os norte-rio-grandenses que vão contar com uma importante fonte de pesquisa”, concluiu o historiador Eduardo Gosson.

Fonte: Assessoria de Comunicação do TJRN

Anúncios

Arquivo do TJMG

Já falei aqui no blog sobre os Arquivos Judiciais do TJDFT e da minha visita ao Arquivo do TJRJ. Seguindo esse panorama sobre os Arquivos do Poder Judiciário brasileiro, disponibilizo uma reportagem sobre o Arquivo Judicial do TJMG. Reparem que os processos são guardados em maços amarrados, fora das caixas. Mais de 10 milhões de processos sem caixas devem ser muito dificil de controlar. O que vocês acham disso??? Comentem!!!

Visita ao Arquivo do TJRJ (III CNA)

 

 

Visita ao Arquivo Central do Arquivo do TJRJ durante o III CNA. O deposito tem capacidade para mais de 584 mil caixas arquivos.

congresso2008_178congresso2008_189

Participação no III CNA

Estive ausente por uma semana, por conta da minha participação no III CNA no Rio de Janeiro (que cidade maravilhosa). Para minha surpresa ao contrário de outros Congressos que já participei, esse foi muito proveitoso. Os trabalhos estavam interessantes e bem agrupados. Participei do IV Encontro dos Arquivos do Poder Judiciário, onde foi feita uma visita ao Arquivo do TJRJ que me deixou espantado com o tamanho do acervo deles. Para vocês terem uma ideia, os galpões de armazenamento tem estantes com mezanino de 4 andares ( o nosso no TJDFT tem só dois é já é um absurdo !!!), com capacidade para mais de 500 mil caixas arquivo (atualmente o TJRJ tem mais de 18 milhões de processos judiciais arquivados!!!). Aqui no TJDFT nós sofremos para cuidar de aproximadamente 3 milhões. Apesar do arquivamento ser feito de forma empirica, o arquivo é muito organizado e o controle beira a perfeição, falta somente uma classificação mais objetiva. Mas no geral eles estão de parabéns!!!

A abertura do evento no Nacional também foi Show, com a presença da bateria de uma Escola de Samba que fez o prédio do Arquivo tremer!!!!

Apresentei um trabalho nas comunicações livres intitulado  Projeto de Modernização dos Arquivos do TJDFT – Área Fim – PROMA que deixo aqui no blog para apreciação de vocês.

Encontro sobre Gestão de Documentos dos Tribunais de Justiça Estaduais

Encontro sobre Gestão de Documentos dos Tribunais de Justiça Estaduais

Dias 21 e 22 de outubro

Clube de Engenharia, nas dependências do III CNA

Auditório do 25º andar

O evento tem por objetivo principal discutir uma Política de Gestão de Documentos com abrangência em todos os Tribunais de Justiça Estaduais.

Promoção do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro – Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento – DGCON

Presença de renomados palestrantes de diversas partes do Brasil.

Clique em “Leia Mais” e confira a programação.

Programação:

Dia 21:

13:30 / 13:45 Abertura
Desembargador Antonio Carlos Esteves Torres
Juíza de Direito Dra. Maria da Glória Oliveira Bandeira de Mello
(Membros efetivos da Comissão Permanente de Avaliação Documental do PJERJ)

13:45 / 14:40 A Gestão de Documentos no PJERJ: Uma evolução em gestão de documentos públicos
(Marcelo Filgueiras e Gilberto Cardoso)
Tabela de Temporalidade de Documentos no sistema corporativo do PJERJ
(André Gurgel)

14:40 / 15:30 A Gestão de Documentos no TJMG
(Guacira de Oliveira – Coordenadora de Arquivo do TJMG)

15:30 / 15:45 Intervalo

15:50/16:45 A Gestão de Documentos no TJBA
(Cristiane Magalhães de Oliveira – Assessora Chefe do Núcleo de Documentação e Informação – IPRAJ)

16:45/17:40 A Gestão de Documentos no TJSE
(Rosângela Alves Martes – Chefe da Divisão do Arquivo Judiciário TJSE)

17:45 Encerramento

Dia 22:

09:00  Fórum Central do RJ

10:00 / 12:00 Visita ao Arquivo Central do PJERJ

12:00 / 13:30 Almoço

14:00 / 15:00 Gestão de Documentos e os Documentos Digitais
(MSc. Vanderlei Batista dos Santos – Câmara dos Deputados)

15:00 / 15:30 Mesa de Debates
Política Nacional de Gestão de Documentos para os Tribunais de Justiça Estaduais
(Representantes dos Tribunais)

15:30 / 15:45 Intervalo

15:50 / 16:45  Política Nacional de Gestão de Documentos – Resolução 28 do CONARQ
(Professor Jaime Antunes – Diretor do Arquivo Nacional)

16:45 / 17:30 Deliberações / Formação de Grupo de Trabalho sobre Gestão de Documentos

17:30 Encerramento

Centro de Memória da Justiça do Rio de Janeiro abre exposição

Centro de Memória da Justiça abre exposição

 

Em comemoração aos 200 anos da chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ) inaugurou ontem a exposição “Dom João VI e a Justiça em Niterói”, no Centro de Memória Judiciária, no Fórum de Niterói. O evento contou com a presença do presidente do TJ, desembargador José Carlos Schmidt Murta Ribeiro, que anunciou a transformação do antigo Fórum em espaço cultural.

 


“Um povo sem memória é apenas um ajuntamento. Estou muito feliz em poder incentivar essa atividade de preservar a memória, que é essencial. Quero deixar encaminhada a implantação de um espaço cultural neste local, quando as atividades forenses forem transferidas para o novo Fórum”, declarou Murta Ribeiro.

 

Para o organizador da exposição e membro do Grupo de Altos Estudos da Memória Judiciária, desembargador Elmo Guedes Arueira, a história da Justiça na cidade se confunde com sua própria criação, já que na mesma data o rei nomeou o primeiro juiz de fora para administrar o local.

 

“Inauguramos uma exposição sobre a chegada da Família Real no Museu da Justiça, mas faltava destacar sua importância aqui. Nesta mostra buscamos reunir os elementos principais relativos a Dom João VI em Niterói. Ele gostava de praia e se hospedava na casa de um amigo em São Domingos”, lembrou Elmo.

 


De acordo com o desembargador Arueira, Dom João VI chegou a passar um aniversário na cidade, durante uma temporada em maio de 1816. Devido à receptividade dos cerca de 13 mil moradores da época teria, inclusive, feito menção ao fato no ato de criação da Vila Real da Praia Grande, hoje Niterói.

 


A exposição também faz memória da revista às tropas que seguiram para Montevidéu e a administração de José Clemente, responsável pelo traçado urbano da cidade, que ainda hoje pode ser observado. A exposição fica em cartaz até 19 de dezembro, de segunda a sexta-feira, das 11 horas às 17h30. O Fórum fica na Praça da República, no Centro.

 

Fonte: O Fluminense, 02/10/2008.

Mais informações www.tj.rj.jus.br no link museu